5 de dez de 2017

Leituras de dezembro


Batman 1 - relendo o lançamento de Os Novos 52 - parece mais do mesmo, mas pelo menos a história com o Coringa até prometia ser interessante, mas não acompanhei o resto. Os desenhos de Detective Comics e de Dark Knight se destacavam em algumas cenas de ação, mas sinceramente, a DC não me apetece.


Marvels II nº 1 - Outro caça níquel querendo se aproveitar do sucesso da série original. Até que relendo, não parece ruim, os desenhos realistas, o drama de Phil Sheldon e as referências, mas nunca me interessei em ler a minissérie inteira.



Salvat Vemelha - Jean Grey - uma origem contada com belíssimos desenhos, a história do casamento com Ciclope e a consagrada minissérie "As Aventuras de Ciclope enix".  Esta última tem grande importância na mitologia dos mutantes, principalmente no que se refere a Cable, a história do personagem, embora meio bagunçada no tempo, foi bem construída por autores diversos. Nesta série, os desenhos detalhados são um pouco diferentes do habitual da Marvel, por isso causam estranhamento, mas a história tem um tom épico futurista bem legal. Nunca tive vontade de ler quando foi lançada, mas gostei. Pena que a edição da Salvat deixe a desejar, são vários erros de grafia na edição (palavras erradas e trocadas).




Universo Marvel 12 - bom as histórias de Inumanos, Nova e outros não interessam muito, s´é só mais do mesmo, interligadas com a Guerra Civil II e tal. Mas o evento principal, "Entidade Infinita" traz revelações importantes antes da conclusão da saga, em "Final Inifnito", como a presença de Mefisto nos bastidores da trama.





Thanos - Final Infinito: mais uma saga perfeita do mestre Jim Starlin, desta vez com desenhos de seu parceiro Ron Lim, da saga do infinito original. Pena que não dão a proporção de evento principal para estas histórias, nas megassagas anuais da Marvel. Tanto a matriz americana quanto a editora Panini poderiam dar maior destaque a essas histórias. Embora não sejam centradas na ação e demandem um leitor mais maduro, pois lida com questões filosóficas, é uma aventura empolgante mesmo assim. As séries Thanos VS. Hulk e Entidade Infinita poderiam ter tido edições fechadas e não publicadas em revista mensal, só pra aumentar as vendas. Um pedido para a Marvel que eu gostaria de fazer: deixem Thanos para o Jim Starlin. No cinema já estamos vendo a importância deste personagem, que vai ser o personagem central do maior evento do cinema para fãs de quadrinhos em muito tempo. E já descaracterizaram seu uniforme pelo que se viu no trailer de Vingadores: Guerra Inifnita. Quanto ao gibi aqui comentado, na página de abertura podiam ter evitado o spoiler, né?







Universo Marvel 13 - Boa história dos Inumanos, dando prosseguimento à Guerra Civil II, fim das séries do Nova e de Venom (ainda bem), e historinhas tapa-buraco e sem graça de Golias (Thomas Foster) e Quarteto Futuro (aqui um trio). Ainda, minissérie dos X-men (como se já não tivessem suas revistas...) - mas a história é boa! De quebra, como sempre, Surfista Prateado, em mais uma história divertida.





Salvat Vermelha - Miss Marvel - Com as primeiras histórias de quando Carol Danvers se transforma na heroína, ainda com sua identidade fragmentada, e depois um novo começo como Capitã Marvel, numa história que começa bem e depois perde um pouco da pegada, mas é interessante, ainda mais quando se nota a mudança de direção quando a Marvel decide investir num personagem dentro de seu universo (influenciada, claro, com a fase cinematográfica que só cresce!). Assim como foi feito com Os Vingadores a partir da saga Motim, a nova Capitã Marvel assume um papel central nas tramas da editora. Incrível como a personagem, que já passou por várias identidades e fases diferentes nos quadrinhos, sempre é carismática, mesmo em sua fase mais militarista, ela faz o que acredita, representando as mulheres independentes desde suas primeiras edições.



.

3 de nov de 2017

Leituras de novembro

Lendas do Universo DC - Lanterna Verde e Arqueiro Verde 3 - Nesta edição, o confronto de Oliver com o problema de Ricardito, trazendo à tona a questão das drogas pesadas e o conflito de gerações nos anos 1970. A convocação de John Stewart como o novo Lanterna Verde reserva. E ainda outros bon momentos desta série, que eu não conhecia toda. Histórias dinâmicas, direto ao ponto. Nota... 8,5!




Pássaro da Neve - a edição informativa que vem na coleção de miniaturas da Eaglemoss traz alguns fatos curiosos, como a personagem já ter sido usada por John Byrne anos antes de sua estreia na Marvel, embora com algumas diferenças. O mesmo para a mãe da personagem, a deusa inuit Nelvanna (que já tinha sido inspiração para uma heroína muito tempo atrás no Canadá. Cabe lembrar também as histórias em quadrinhos muito dramáticas da Tropa Alfa, publicadas em Superaventuras Marvel nos anos 90. A semideusa Pássaro da Neve teve seu filho recém nascido possuído por uma criatura maligna, que matou seu marido, fez ela matar o próprio filho para em seguida ser assassinada. Depois, a isso se seguiram outras perdas. Aurora enlouqueceu para salvar o irmão, Estrela Polar, que foi viver no reino de fadas e elfos, de onde sua mãe viera e Pigmeu se livrou da maldição de guardar um demônio, mas perdeu os poderes. A equipe ficou desfalcada de uma hora para outra.


Salvat Vermelha: Noturno - com a origem recontada de maneira mais rebuscada e detalhada, com belos desenhos, e depois uma série que achei muito chata, pretensiosa e mal escrita. Kurt relutando em trabalhar como "detetive do sobrenatural", numa relação estranha com Tempestade, que manda e desmanda nele, sentindo também ciúmes. Kurt fica chato relutando o tempo todo. O autor a cada capítulo vem com ideias novas que não tinham a ver com a trama mas que depois todos estão sabendo, como a presença do nome do demônio Pazuzu (importado, claro do filme Exorcista) - do nada Kurt já sabia sobre esse demônio específico, sobre o qual nada tinha sido dito até o capítulo anterior. Esse tipo de coisa parece falta de planejamento no roteiro. Afinal, nessa história, qual a relação dos X-Men com as autoridades? Fica sem explicação a morte de crianças no hospital e nenhuma autoridade oficial investigando... bah, assim não cola, senhores!

 

Robinson Crusoé - bela surpresa essa edição em promoção por R$ 7,90. Uma boa adaptação do clássico da literatura e ainda um material extra sobre o autor e a época do lançamento da obra original!

 


Épicos Marvel 3 - Mefisto VS Heróis Marvel - reli o formatinho, da época em que os planos dos vilões e as histórias em geral eram mais simples, sem deixar de ser sombrias. O texto infelizmente sofria cortes pra caber no tamanho pequeno da revista, mas em alguns casos era até bom, pois ficávamos com o essencial, graças ao poder de síntese dos tradutores e diagramadores brasileiros. 


Mefisto seduz Vampira


Grandes Heróis Marvel 40 - Justiceiro e Motoqueiro Fantasma - a edição começa com uma aventura regular do Justiceiro (nos bons e velhos tempos, enfrentando criminosos, aqui um bando de mulheres), e depois a aventura principal com o Motoqueiro, que foi mal explorada, muito rápida, pois a ideia da Ilha Mamute, um veículo que se combina com outros e forma uma monstruosidade mecânica nas rodovias era bem legal. Finaliza a edição com uma história de Microchip, o parceiro de Frank Castle, usando suas habilidades e coragem para ajudar amigos imigrantes. O anúncio desta edição era de arrepiar, confira abaixo:



 

Ultimate Marvel - O Devorador de Mundos - relendo esta edição, com uma capa brilhante sensacional. Embora não conheça o universo ultimate, gostei da aventura, onde Capitão marvel, Rick Jones e Surfista Prateado, em suas versões alternativas, enfrentam o Galactus original da Marvel, fundido à sua versão ultimate. Depois pesquisei um pouco sobre esta versão do Surfista e descobri que não tem muito a ver com o original.






 

 

25 de out de 2017

Postagem Especial 2

Mais imagens, anúncios e páginas de quadrinhos clássicos variados que estão sendo postadas na página Gibiblioteca e aqui no blog: