30 de mar de 2012

Mais uma escola visitada!

        Infelizmente não tenho fotos desta vez!  Ontem 29/03, estive na E.M.E.F. Francisco Osvaldo Anselmi levando a palestra aos alunos do 7º ano e 7ª série do Ensino Fundamental. 
       

27 de mar de 2012

Gibis do KISS

     A "banda mais quente do mundo" voltará aos palcos dos quadrinhos neste semestre, para delírio dos fãs do grupo de rock que mais se relacionou com a nona arte na história da "música do Diabo".



     Em junho, a IDW Publishing lançará nos Estados Unidos a minissérie em quatro partes Kiss, que mostrará os Quatro Cavaleiros do Apocalipse com um conceito diferente dos que eles já assumiram nos gibis. Não mais super-heróis ou entidades divinas, eles agora são humanos comuns que vivem na Chicago dos anos 1920 e se envolvem numa batalha cujas consequências interferem no tempo e no espaço.
   A primeira edição, escrita por Chris Ryall e com desenhos de Jamal Igle (que coassina a capa com Nick Runge), abre o arco Dressed to Kill - nome do terceiro disco do Kiss, lançado em 1975, cuja capa notoriamente inspirou o visual dos quatro roqueiros nesta nova minissérie -, apresentando personagens como Wicked Lester (alusão ao primeiro nome da banda) e The Elder e She, nomes de duas músicas clássicas do quarteto.
     


      Ainda em junho, a IDW lançará a coletânea KISS Greatest Hits, Vol. 1: The Marvel Years, reunindo os crossovers da banda com Homem-Aranha, VIngadores e outros heróis.


  
     Clique aqui para conferir a matéria especial que o Universo HQ publicou sore a rica trajetória do Kiss nos quadrinhos.


       por: Marcus Ramone
       fonte: Universo HQ 



     
O autor deste blog - Gibiblioteca -   já teve a felicidade de ir num show do Kiss com a formação original, em 1999 - na época foi lançada no Brasil a mini-série Psycho Circus, que já não tenho mais.






     P.S: RETOMANDO O PROJETO. DIA 26/03 ESTIVE NA ESCOLA FERNANDO FERRARI LEVANDO A PALESTRA E EMPRESTANDO MEUS GIBIS NOS TURNOS DA MANHÃ E DA TARDE. E GANHEI UM ABRAÇO BEM APERTADO DE UMA ALUNINHA LINDA. CARINHO DE CRIANÇA É ESPONTÂNEO E FOI RETRIBUÍDO.




23 de mar de 2012

HQ'S MEMORÁVEIS

       Sempre gostei do Quarteto Fantástico. Embora os filmes sejam fracos quem tem interesse nos heróis não deve se guiar pelo cinema e procurar as boas histórias do grupo, que foi o primeiro da Marvel quando surgiu como a editora famosa que é hoje. Entre muitas edições que tenho, uma dos naos 90 marcou por ser uma tentativa de firmar uma nova linha de revistas e deu a chance dos 4 heróis terem um título prórprio. A edição nº 1 da fase Heróis Renascem surgiu após a saga do vilão Massacre, onde muitos heróis foram dados como mortos, mas foram enviados a um mundo compacto e reviveram suas vidas de maneira minimamente diferente. O destaque da edição eram os desenhos de Jim Lee, mas no final aideia não deu certo e o Quarteto voltou a ser publicado em outras revistas. 


       




        
     Criado em 1962 por Stan Lee e Jack Kirby (sempre eles), o Quarteto Fantástico conta com o Sr. Fantástico (Reed Richards), com poderes elásticos e inteligência fora do comum, sua esposa Mulher Invisível (Susan Storm Richards), que projeta campos de força, o irmão de Susan, Tocha Humana (Johnny Storm) e Benjamin Jacob Grimm, o Coisa, com superforça, o melhor amigo da família, o único que não consegue reverter a sua forma humana e sofre muito por isso. Depois de srem irradiados com energia cósmica numa viagem ao espaço, manifestaram seus poderes e utilizaram para ajudar a humanidade. Sem máscaras, sem dupla identidade, são personagens que trazem valores familiares e exploram o universo em suas aventuras, que trazem também drama e humor. O casal Richads já tem 2 filhos, Franklin e Valéria.


    Biblioteca Histórica Marvel: O Surfista Prateado 1 – As seis primeiras histórias as série própria do personagem, - que surgiu nos gibis do Quarteto fantástico - com acabamento de luxo, capa dura e papel especial, com texto integral e mais próximo do original. O que eu sempre sonhei como fã do Surfista. Pena que escaparam alguns erros tipográficos, letras trocadas ou faltando. E eu preferia a tradução mais livre e poética de algumas histórias quando publicadas na editora Abril. Estou esperando o nº 2. Custava R$ 62,00. Comprei por R$ 49,90 e NÃO empresto!


    Marvel Max Especial: Alias – Quando surgiu nas bancas, Marvel Max prometia quadrinhos adultos, e o carro-chefe era a série Alias, mostrando as desventuras de Jessica Jones, uma detetive particular e ex-super-heroína atrapalhada, uma mulher insegura e cheia de defeitos, com baixa auto-estima e etc. Esta edição mostra o final da série, revelando que Jessica havia sido manipulada pelo Homem-Púrpura, que de vilão de terceira passou a ser um dos mais cruéis da Marvel. Ele tem o poder de liberar um tipo de feromônio que faz com que as pessoas obedeçam. Imagina o que ele fazia com as mulheres. Mas Jessica foi manipulada por oito meses sem ser abusada sexualmente, feita de escrava superpoderosa e obrigada a assistir às relações dele com outras e espancada. Isso trouxe vários traumas, e no final ela descobre estar grávida do herói Luke Cage, que se mostrou disposto a começar uma vida nova com ela.

 

   Vingadores Anual 1 – Oito histórias em série que mostram os bastidores da formação e de várias fases do grupo de heróis. Bons desenhos e argumento. Bastante aventura e curiosidades da intimidade dos personagens. Só incomoda a mania de querer adaptar aos poucos a mitologia de 60 anos de cronologia para os leitores mais jovens. Então detalhes como tv a cabo e celular aparecem na época em que o Capitão América foi despertado do congelamento (a que foi submetido no final da Segunda Guerra Mundial) para mostrar seu deslocamento  no mundo moderno. É que os fãs antigos sabem que ele foi descongelado nos anos 60. Mas é uma tendência atual, para os leitores novos não se sentirem tão desatualizados.


 

19 de mar de 2012

Da TV Para o GIBI

     Muitas vezes as obras que começam nos quadrinhos acabam migrando para outras mídias. Mas o caminho inverso também é frequente, como mostram as seguintes edições, que trazem personagens surgidos nos desenhos animados ou séries de TV que viraram gibis, e estão disponíveis no acervo do Espaço Gibiblioteca:








15 de mar de 2012

Fotos da VI Feira de Incentivo À Leitura

     Depois de meses, consegui mais fotos da Feira, que aconteceu em novembro de 2011. Olha eu aí com a Turma da Mônica:

A Turma no meu estande.

A Mônica se distraiu...

...e dei um nó no Coelhinho! Má influência do Cebolinha!


                Voltei a ser criança, hehe.

12 de mar de 2012

Dom Casmurro em Quadrinhos / Moebius

     Essa edição eu pretendo ter:



    "Bento Santiago, velho e solitário, escreve um livro em que narra sua própria história para tentar entendê-la e desvendar o enigma que o assombra: sua mulher o teria traído?
    A retrospectiva começa em 1857, no Rio de Janeiro, quando ele, aos 15 anos, descobre-se apaixonado por sua amiga de infância Capitu, 14, menina pobre da casa ao lado. O rapaz só se dá conta de seu real sentimento pela vizinha ao ouvir o agregado José Dias alertar sua mãe, a rica viúva dona Glória, de que a proximidade dos garotos poderia trazer dificuldades ao ingresso do menino no seminário - para onde Bento deveria ir por conta de uma promessa materna.
     Diante do obstáculo, os jovens se unem ainda mais e juram se casar. Sem ter como escapar de seu destino, o jovem vai para o seminário e lá conhece Escobar, que se torna o seu melhor amigo. Mas Bento está determinado a não se ordenar padre, dado o desenrolar do romance com Capitu.
     Mas uma terrível dúvida - uma dupla traição - pode abalar toda a promessa de felicidade que aparente aguardar o casal.
     Baseada na obra de Machado de Assis, a adaptação em quadrinhos de Dom Casmurro tem roteiro de Ivan Jaf e arte de Rodrigo Rosa.

     De acordo com o release da editora, alguns dos pontos fortes da adaptação incluem criar uma releitura da obra, tornando-a acessível para a sala de aula, sem trair a essência do original, mantendo as principais características de Dom Casmurro, como o lirismo e o estilo mordaz de Machado de Assis. Tudo isso baseado em uma extensa pesquisa histórica, para retratar com fidelidade a época em que se passa a trama.

  A coleção Clássicos Brasileiros em HQ, da Ática, tem como objetivo semear o gosto pelos clássicos nos jovens leitores e levá-los a conhecer grandes escritores e ter um primeiro contato com suas obras."

        por Marcelo Naranjo.

      Fonte:  http://www.universohq.com/quadrinhos/2012/n06032012_02.cfm


     Morre o desenhista Moebius:




    Aos 73 anos, o gênio dos quadrinhos se foi. Conhecido por Tenente Blueberry e pela sua colaboração com O Surfista Prateado na Graphic Novel "Parábola", ele também colaborou com desenhos de produção nos filmes Alien: O Oitavo Passageiro, Tron, Mestres do Universo e outros É incrível o número de artistas dos quadrinhos que tem falecido nos últimos anos. A produção de gibis no céu deve estar a mil.


    


5 de mar de 2012

A Série de TV Mais Amada dos Anos 80

       O Incrível Hulk foi criado em 1962 por Stan Lee para a Marvel Comics, baseado em personagens como Frankenstein e no livro "O Médico e o Monstro". A série de TV estreou em 1978 e acabou em 1982, sendo reprisada no Brasil pela rede Globo até 1986 aos domingos ou à tarde na Sessão Aventura. 




     Quem viveu a época lembra bem do David Banner. Um cara simpático, que tenta ajudar todo mundo e sempre passa por problemas. Enquanto tenta achar uma cura para sua maldição, ele a cada episódio consegue um emprego diferente, usa um sobrenome diferente e se envolve com uma garota diferente, com quem nunca consegue manter um relacionamento, tendo que fugir. E vai embora pedindo carona com sua mochila nas costas e uma melancólica música de piano ao fundo.

Piano ao fundo...



     E o Hulk? Como surgiu? No primeiro episódio conhecemos a história do viúvo David (que nos gibis se chamava Robert, mas quiseram fazer uma menção bíblica do confronto entre Davi e Golias – que seria o Hulk – mas dentro de um só pessoa). David, interpretado por Bill Bixby, era médico e cientista, e queria descobrir o que faz com que as pessoas, em momentos de desespero, consigam criar uma força muito além de suas supostas capacidades. Isso porque ouviu relatos de pessoas que ergueram carros para salvar seus filhos e ele mesmo não conseguiu salvar a esposa. Ele descobre a relação entre os momentos dos eventos e a emissão de radiação gama pelo sol. Então resolve tomar uma dose de radiação. Mas sem saber que o aparelho emissor estava descalibrado, recebe um carga enorme, e a partir daí, em momentos de fúria e desespero, ele se tranforma num gigante verde de força descomunal e quase irracional, mas levado pelos instintos de David, que é uma boa pessoa, nunca faz mal aos outros. No final do segundo episódio, ele é dado como morto e resolve fugir, pois o Hulk é acusado de matar 2 pessoas. Em muitos episódios o repórter Jack McGee persegue as aparições do monstro.

McGee - incansável perseguidor
     Alguns episódios duplos foram exibidos nos cinemas, como “A Noiva do Incrível Hulk”, um dos mais dramáticos da -já triste- série. A série trazia explicações cientificas para as transformações e explorava muitos temas sociais, como uso de drogas, violência doméstica, preconceito racial, corrupção, aborto e outros. Havia muita ingenuidade na série comparando com nossa atual época de cinismo e banalização dos relacionamentos. David não pensava duas vezes antes de ajudar um estranho e se envolver com os problemas dos outros. Amizades eram valorizadas muito mais do que hoje.


Cena clássica da abertura


     A principal diferença entre a série e os heróis da época é que as pessoas riam de Clark Kent, por exemplo, mas idolatravam o Super-Homem, mas com o Hulk era diferente. Todos simpatizavam com David, mas tinham MEDO do Hulk.



     O Hulk era interpretado por Lou Ferrigno, um fisiculturista que fez filmes como Simbad e Hércules. Pra quem olha com atenção, dá pra ver que o ator usava sapatilhas em muitos episódios do Hulk. Como não enxergávamos na época? Era porque entrávamos na fantasia, e a magia do seriado era ver os olhos de David brilhando, as roupas rasgando (menos as calças) e o ouvir o rugido do Hulk, que quebrava paredes e jogava os malfeitores a distâncias enormes. 


Sapatilhas

     A editora RGE publicou no Brasil algumas tiras em quadrinhos baseadas na série da TV. Com roteiro de Stan Lee.

Clique para ampliar (em inglês)


    O seriado foi retomado em 1988 com 3 filmes para a TV, trazendo um triste final em A Morte do Incrível Hulk. David nunca conseguiu se livrar da maldição e morreu ao cair de um avião, depois do Hulk salvar uma das amadas de seu alter ego.



       Havia planos de mais um filme, mas o ator Bill Bixby faleceu em 1993 de câncer. Ele dirigia na época o seriado Blossom (que passava no sbt) e sua vida foi tão dramática quanto a de seu personagem. Perdeu um filho, a esposa o culpava, e casado novamente, foi abandonado pela mulher ao descobrir que estava doente. Ele concedeu uma entrevista emocionante a um canal de TV 2 meses antes de falecer, já bastante debilitado. Eis o link do vídeo legendado no youtube, mas não recomendo a quem não quiser ficar comovido:

      Pra quem gosta de reviver as séries antigas, as 5 temporadas e os filmes foram lançados em DVD no Brasil, embora esteja um pouco difícil de encontrar alguns itens. Existem planos de uma nova série do Hulk para a TV, mas sinceramente, não acredito que terá o charme da antiga, que tornou o Hulk um dos personagens mais populares do mundo.


Maquiagem do Hulk
Boneco baseado na série

2 de mar de 2012

A Super

      
        A Supergirl ou Supermoça (Kara Zor-El) tem os mesmos poderes do primo Superman e é uma das personagens femininas mais populares da DC. Sua morte pelas mãos do vilão Anti-Monitor durante a saga "Crise nas Infinitas Terras" (quando sacrificou-se para salvar a vida de seu primo) é um dos momentos mais marcantes e dramáticos das HQs. A personagem foi criada por Mort Weisinger, Otto Binder e Curt Swan, e apareceu pela 1ª vez em maio de 1959.



      

      Assim como o Superman, Kara chegou à Terra em um foguete (escapando da morte certa na cidade de Argo City, que sobreviveu à destruição de Krypton mas teve a proteção que livrava seus moradores dos efeitos da kryptonita destruída por meteoros), e tem os mesmos poderes do herói em que foi inspirada: superforça, vôo, visão de calor, etc.
      O recente arco de histórias em 6 partes "A Supergirl de Krypton", escrito por Jeph Loeb e desenhado por Michael Turner, recontou a origem da personagem. Esta ótima saga foi publicada aqui no Brasil pela Panini, nos quatro primeiros números da extinta revista "Superman & Batman". A história mostra como Kara Zor-El, prima do Superman, chega à Terra após escapar da destruição de Krypton. Após reunir-se com o Homem de Aço e ser testada por Batman, Kara é levada para Themyscira pela Mulher-Maravilha para treinar com as amazonas e aprender a controlar seus poderes. A chegada da poderosa Kara chama a atenção de Darkseid, que a sequestra e manipula sua mente, para voltá-la contra Kal-El. Superman, Batman e Mulher-Maravilha, com a ajuda da heroína Grande Barda, vão até Apokolips para resgatar Kara e acabar com os planos do vilão. Esta história virou uma bela animação, lançada em 2010, intitulada "Superman/Batman: Apocalypse". Supergirl também ganhou uma simpática versão animada que apareceu nas séries do Superman e da Liga da Justiça. Além disso, a personagem ganhou vida na série "Smallville", onde foi interpretada pela bela Laura Vandervoort. 


Nos desenhos animados










     



Revista Supermoça - Editora Ebal

        E também não dá para esquecer do filme, de qualidade duvidosa, lançado em 1984, que teve Helen Slater no papel da super-heroína. Duvidosas também foram as inúmeras versões que a personagem ganhou nas HQs depois da morte de sua versão clássica, em 1985. A nova encarnação da personagem está tendo boas histórias solo, no geral, e aparece com destaque também nas aventuras do Superman. Kara teve também uma breve passagem pelos Novos Titãs e é uma integrante ocasional da Liga da Justiça. Ela também marca presença constante nas histórias da Legião dos Super Heróis (grupo do futuro), e tem ligações românticas com um de seus membros: Brainiac 5.


Supergirl no cinema




                                                                    Leandro Vargas


       Mais uma vez agradeço, a colaboração do amigo Leandro, do blog Olhos Estranhos (link ao lado).