27 de abr de 2012

Ronin

Há algumas semanas ganhei um presentão de um amigo, o professor Oscar Tomaz Figueredo: a minissérie Ronin, de Frank Miller, que li e gostei bantante, pois embora já tivesse ouvido falar, não tinha ideia da temática da obra.



Como estou sem tempo para escrever resolvi reproduzir um texto que achei na internet:

Escrito por Wellington Srbek:


"Tudo começou quando chegou às mãos de Frank Miller um grosso volume com o mangá Lobo Solitário (um sucesso no Japão, que narra a história de um samurai sem mestre). Ao folhear o mangá pela primeira vez, Miller ficou impressionado com a narrativa visual impecável, o que teria uma influência decisiva em suas HQs.

Após essa feliz descoberta, o quadrinista norte-americano passou a incorporar elementos narrativos de Lobo Solitário às HQs do herói Demolidor. Ele também introduziu personagens saídos da cultura japonesa, como ninjas e samurais, dando destaque à sensual assassina Elektra. Outro personagem que ganhou um tratamento à japonesa foi o mutante Wolverine que, na minissérie escrita por Chris Claremont e desenhada por Miller, viaja ao Japão, onde enfrenta ninjas e lutadores de sumô (além de aparecer com garras na forma de lâminas japonesas). Mas talvez a maior homenagem de Miller aos quadrinhos japoneses seja Ronin (marco fundamental na trajetória das graphic novels e minisséries de luxo).

Lançada em seis edições pela DC Comics nos anos 80, Ronin deu início à publicação das minisséries com temática mais adulta. Começando no Japão feudal, a HQ mostra um jovem samurai que busca vingar a morte de seu mestre. No confronto final contra o assassino, Ronin e o demônio Agat acabam aprisionados numa espada mágica, ressurgindo séculos depois numa caótica e altamente tecnológica Nova York do futuro. O roteiro se desenrola a partir daí, contando com muitos duelos de espadas, cenas do Japão feudal e hordas de robôs, e bastante original em sua fusão entre passado e futuro, elementos orientais e ocidentais.




 

Mas é sem dúvida em termos narrativos e estilísticos que a minissérie de Miller causou maior impacto. Antecipando alguns dos elementos que o quadrinista desenvolveria posteriormente em O Cavaleiro das Trevas (flashbacks e imagens de monitores). No entanto, o que mais se destacou na minissérie foi seu visual bastante incomum para os padrões dos quadrinhos norte-americanos, com linhas tênues, emaranhados de traços e cores estilizadas (produzidas por Lynn Varley). Por tudo isso, Ronin se assemelhava mais a um álbum europeu do que aos quadrinhos da época.





Ronin não foi um enorme sucesso comercial quando lançada. De qualquer forma, a minissérie de Miller contribuiu para a popularização dos mangás no Ocidente, particularmente da série Lobo Solitário (cujas edições ocidentais contaram com capas desenhadas por ele). Os elementos da narrativa dos mangás utilizados por Miller também influenciaram outros quadrinistas, promovendo uma renovação dos comics. Além disso, a minissérie (lançada originalmente no Brasil há vinte anos) foi um marco na relação das grandes editoras norte-americanas com os autores mais renomados, que passaram a ter maior controle e direitos sobre suas criações. Só isso já faria de Ronin, o “mangá” futurista de Frank Miller, uma HQ decisiva para a história dos quadrinhos norte-americanos."

fonte:   http://maisquadrinhos.blogspot.com.br/2008/01/ronin-o-mang-futurista-de-frank-miller.html

23 de abr de 2012

Chegando ao cinema - Vingadores

      Nesta semana chega ao cinema o grande projeto da Marvel Studios, o tão esperado filme que reúne os super-heróis dos quadrinhos: Vingadores!








    Reunindo os personagens apresentados nos filmes do Homem de Ferro, O Incrível Hulk, Thor e Capitão América.


   Cada um destes personagens já teve uma postagem neste e no antigo blog.


    Fãs de gibis, a hora chegou!!


    Avante, Vingadores!!









18 de abr de 2012

Edições de TEX!!

Novas aquisições:



Tex Coleção 29 - Editora Globo - Chefe dos Navajos - nesta edição, enquanto resolve um caso de extorsão de uma viúva que é atormentada por outro fazendeiro ambicioso, Tex Willer assume, através de um ritual, a posição de chefe da tribo. Ele deveria enterrar a machadinha com a lâmina para cima caso quisesse levar os índios pelo caminho da guerra ou para baixo, se pelo caminho da paz. Acaba colocando numa posição neutra, de pé, significando que buscam a paz mas se defenderão de qualquer abuso do homem branco.

    E a edição gigante de 212 páginas, de 1980 - Tex 112, da editora Vecchi, traz a história de El Muerto, que ataca com seu bando espancando Jack Tigre e matando outro índio, marcando um encontro com Tex em Pueblo Feliz. Pra piorar, ataca também seu filho, Kit, que recebeu um tiro.




    Possesso, sem saber o porquê de tanto ódio,  Tex adianta o encontro encontrando o bandido num Saloon, mas perde a chance quando o barman é sequestrado. 

     Na ida para o vilarejo, o herói sofre uma emboscada dos capangas dispensados do criminoso e é ajudado por Tigre, recuperado.

     Finalmente no lugar marcado, o cemitério da cidade, Tex reconhece o bandido, que havia sofrido queimaduras por conta da briga de Tex com seus irmãos, que morreram no confronto. 

     E partem para o duelo final.

    Para variar, as cores da capa trazem Tex de camisa azul no lugar da tradicional amarela.

    E como sempre, desenhos e roteiro impecáveis, para os fãs do bom faroeste.

13 de abr de 2012

A essência de um Vilão

     

     A Graphic Marvel 5 – Doutor Estranho e Doutor Destino: Triunfo e Tormento, com desenhos de Michael Mignola (criador de Hellboy) e argumento de Roger Stern, é simplesmente uma das melhores histórias em quadrinhos produzidas pela Marvel Comics. Tive o prazer de adquirir a edição há vários anos e devo ter lido umas 10 vezes, no mínimo.


      A história reconta a origem dos dois personagens principais, e também inclui o torneio de magos organizado por entidades extradimensionais que dão força aos encantos. O resultado dá a Stephen Strange novamente o título de Mago Supremo da Terra. Com isso, conforme as regras, “uma dádiva deve ser recebida”, mas Estranho ao recusar, recebe a explicação que ele é quem deve conceder a dádiva ao participante que ficasse em segundo lugar – Victor Von Doom, o inimigo do Quarteto Fantástico.
      É aí que as surpresas começam. Ele não pede para conquistar uma nação nem para derrotar seus inimigos. O que ele deseja é libertar a alma de sua mãe, que foi para o inferno ao ser enganada pelo demônio Mefisto.
      Sim, você mudará sua opinião sobre o caráter do Doutor Destino, entendendo um pouco suas motivações e refletir sobre a natureza humana, que pode levar uma pessoa a ser nobre e cruel ao mesmo tempo.



      A narrativa é belíssima, com texto e desenhos harmoniosos, com traço leve e linguagem apurada. Enquanto os personagens se preparam, vemos eles convivendo e demonstrando todo o potencial de “encantar” o leitor, na batalha contra o demônio, onde várias reviravoltas culminam num final que justifica o título da história, e que ainda tem uma introdução e um fechamento interligados por personagens coadjuvantes – monges e magos.



     Os interessados em conhecer essa edição podem comparecer no Espaço Gibiblioteca e desfrutar de uma boa leitura!!!






     Já a Graphic Novel Demolidor & Capitão América – Dupla Morte, tem desenhos belíssimos de uma artista italiano e argumento mediano, sobre o espírito de um antigo inimigo do Demolidor, que retorna para atormentar o herói, que recebe ajuda do Capitão América no caso.
Esta edição eu não ia comprar, mas me rendi á informação que ela foi lançada no Brasil e não nos Estados Unidos (berço da Marvel), ou seja, eu teeenho, vocês fãs americanos não tê-êm, hehe.





Busto do Demolidor


12 de abr de 2012

Mais Gibi


Entrei com pressa no sebo*
Só pra dar uma olhadinha
Achei um gibi bem antigo
E comprei – é do Peninha!



A loja, organizada
Era mesmo admirável
Catei uma edição legal
Grandes Clássicos da Marvel



Tem uma que com a pressa
Comprei pela capa – que bela!
Depois vi: era em inglês
Especial da Vampirella...



Como estava de carona
O tempo era um problema
Peguei do incrível Hulk
Desenhos de Sal Buscema



No meu último minuto
Tinha que pegar mais algum
Catei um gibi mais adulto
Vietnã  - número UM!!!




Em minha última compra
tive uma boa ideia
Uma antiga do Batman
Com Robim e sua estreia.






*loja que vende livros usados.

6 de abr de 2012

Supergêmeos, ativar!!

     Os Super Gêmeos são personagens criados pela empresa Hanna-Barbera para o desenho dos Super Amigos. Eles são um casal de irmãos gêmeos alienígenas, que podem "ativar" ou "desativar" seus poderes quando juntam as mãos. São originários do planeta Exor e enviados a Terra para aprender a ser heróis com a Liga da Justiça.  Eles são acompanhados por Gleek, um macaquinho que só se mete em confusão, mas às vezes salvava o dia.
     Enquanto Zan pode tomar a forma de água em seus diversos estados (gasoso, líquido, sólido) no formato de objetos, inclusive, Jayna pode tomar a forma de animais, como macacos, dinossauros etc.
    


     Geralmente eles se deslocavm de um lugar para outro com jayna na forma de águia, que carregava o macaco, que por sua vez levava um balde contendo Zan, na forma de água. Os irmãos passavam por situações muito idiotas, mas na época a criançada se divertia muito. É uma pena que os personagens não acompanham os outros heróis da DC nos quadrinhos, pois seus direitos são de outra companhia. Os personagens tiveram uma participação também no seriado Smallville (foto abaixo).



      Se você viveu os anos 80, admita: você já brincou de Supergêmeos!

Gleek




fonte (algumas coisas): wikipedia