11 de jan de 2016

Ano novo - Leituras de Janeiro

  2016 - Ano novo, mais uma vez cheio de incertezas se vou conseguir desenvolver o projeto como gostaria, sempre é uma incógnita e tenho decisões a tomar no trabalho. Às vezes eu mesmo tenho que me negar a participar de alguns eventos por motivos pessoais, mas é a vida!

Neste começo de ano estou lendo:

Três Sombras - ótima HQ de Ciryl Pedrosa, com tema sobrenatural e ao mesmo tempo muito humano, com um camponês fazendo tudo que pode para salvar o filho de um destino indesejável. Os traços simples e dinâmicos lembram a arte recente que tem aparecido nos álbuns da coleção Graphic MSP, como Laços, Lições e Bidu  - Caminhos. ganhei este livro do amigo Guilherme Castro.





Disney - Contos de Natal - coletânea com histórias natalinas de Carl Barks, li uma boa parte e dei um tempinho, já que são 35 histórias. Muito bom, apesar de que chega uma hora de ficar maçante por ser sempre o mesmo tema.









X-Men Premium 17 - A última edição da série que afundou a Editora Abril no quesito quadrinhos de super-heróis, quando acabaram com os formatinhos e investiram em edições caras. E nessa fase, ao menos no que dá pra ver nessa edição, os X-Men tinham histórias fraquinhas, muito presas no visual, por vezes confuso e ação sem um roteiro consistente. Escravistas ou escravagistas como dizem na edição parace uma mistureba e aliens, piratas e o chefe uma cópia de Mrrungo-Mu, da clássica Graphic Marvel 14 - Os Escravistas, estrelando o Surfista Prateado. Os X-men brigam entre si sem explicação, fazem planos absurdos, e a última história deveria encerrar uma história do Bishop e fica tudo no ar... edição dispensável, eu não via a hora de acabar...



Salvat Vermelha 7 - Capitão América - O Ódio Se Chama Sangue - eu havia lido há pouco a edição de Os Maiores Clássicos do personagem em questão e são exatamente as mesmas histórias, que valem pelos belos desenhos de John Byrne e pela fase da vida pessoal de Steve Rogers. Mas as histórias em si, fora a da eleição, bem legal pra época em que foi lançada, não são lá essas coisas, mas longe de serem ruins. Ah, e das 9 histórias só 2 justificam o título da edição. Pena os erros de português, algumas frases confusas nos textos adicionais e o erro GRITANTE na contracapa, onde faltou a letra i - CAPTÃO: 








Almanaque da Mônica 47 (Panini) - Algumas histórias clássicas que eu tive em outros gibis. Mônica quer ser menino pois ouviu o pai falando que sempre quis um menino. Hoje em dia algumas passagens dariam muita discussão sobre sexualidade, mas os motivos da Mônica são bem claros e ingênuos. Penadinho com a hilária história de Beto, o distraído que morreu e esqueceu de deitar. E no final a história "Por que você não olha pra mim?" cujo trecho que posto aqui rendeu muitas risadas minhas e da minha filha enquanto eu lia pra ela:





Star Wars - Clássicos 11 - continua ótima a coleção, embora varie bastante o desenhista de cada história, nenhum deles deixa a peteca cair e seguem um padrão, assim como os roteiros da saga pós - Retorno de Jedi. Ufa! esta li num dia só!



Constantine 21 - edição que ganhei do amigo Leandro Vargas numa doação inesperada, traz histórias da Liga da Justiça Dark enfrentando o fim do universo, da Trindade do Pecado (com Questão, Vingador Fantasma e Pandora) numa saga espiritual,  e Contantine fechando uma história com Darkseid e personagens da Terra 2. Embora eu não tenha acompanhado essas histórias, deu pra notar que são muito boas.




Coleção Histórica Quarteto Fantástico 3 - confrontos com o Quarteto Terrível. Sempre odiei as histórias com esse grupo de vilões, mas até que foi interessante ver a origem do grupo, com Medusa, que depois vira heroína. Mas a edição, embora tenha histórias boas na segunda metade, mostra um Quarteto Fantástico totalmente indefeso e inútil, visto que perde quase todas as batalhas contra os inimigos. Quem salva a pátria é Agatha Harkness e o Homem-Aranha, e só vence meia boca uma vez em 7 histórias. Fora que é irritante que muitos mistérios que surgem nas histórias continuam em outras que não foram publicadas na edição. Mesmo assim, foi a edição foi melhor do que eu esperava! Agora chamar o Mago de "Mago Alado" é muito ridículo...



A Sombra do Batman 35 - Personagens e séries demais, essas edições mensais ficam sobrecarregadas e as histórias, curtas. Algumas séries fracas, como Grayson e Mulher-Gato, e outras boas como Batwoman e a saga da busca por Robin, que agora vai até Apokolips.

A Sombra do Batman 36 - conclusão de Batgirl bem legal, Batwoman ficando interessante, bem como Grayson, e o Morcego enganando a Liga é sempre bom, e desta vez pra pegar sua super-armadura pra ir a Apokolips. pena que não tenho a sequência...








 






 

















Miracleman 4 e 9 - não conhecia o personagem, mas sinceramente não me agradou muito, percebe-se que para os anos 80, quando foi lançada a série, parecia interessante, mas não tem a profundidade de um Monstro do Pântano. Um dos desenhistas é até o mesmo, mas a cena do parto na edição 9 chega a incomodar pelo detalhamento, hehe. E nas histórias antigas dos anos 1950 (Marvelman), vê-se a ingenuidade e a semelhança com Capitão Marvel, com palavra mágica e tal.





Salvat 10 - X-Men: Filhos do Átomo, série que mostra o início do grupo, com o professor X recrutando os primeiros alunos. Já tinha lido em scan tinha achado melhor, agora me incomodou um pouco os desenhos por vezes feios. Na edição de X-Men 1, de 1963, vários balões de narrador não tem a última frase, ficando sentenças incompletas e um espaço em branco onde seria a última linha. Esta coleção está sendo uma coleção de pequenos erros, uma pena. De qualquer forma é interessante por mostrar os dramas pessoais de Fera, Anjo, Ciclope, Homem de Gelo e Garota Marvel, além da mensagem contra preconceito e o ódio.


Desvendando Os Quadrinhos -  de Scott McCloud - já comentei várias vezes, mas desta vez terminei de ler a edição. Indispensável aos profissionais e fãs da "nona arte". Uma aula sobre a linguagem iconográfica.






Coleção Histórica Quarteto Fantástico 4 - Chega um ponto em que o leitor experiente se dá conta de como funciona o marketing. Por mais que os editores tenham vontade de lançar uma coleção com os personagens do Quarteto Fantástico, colocam em duas capas da coleção a presença do Homem-Aranha (o super-herói mais popular da Marvel), e uma edição inteira é com histórias do Aranha contracenando com o Tocha Humana, em histórias já publicadas relativamente há pouco tempo, em coleções do Homem-Aranha. Salvo algumas histórias com o Quarteto Terrível, que justificam-se pela continuidade da edição 3, a única que faria jus à coleção em minha opinião é a última história, de coautoria de Frank Miller. Não que as histórias sejam ruins, afinal temos material de Stan Lee e Steve Ditko, Ross Andru, Gerry Conway, Roy Thomas e Sal Buscema, mas inimigos como os executores são muito chinfrins, e o Homem-Areia é tratado como vilão quase invencível, e ele e o Besouro aqui ainda eram considerados inimigos do Quarteto e não do Aranha. Gostei das referências ás edições originais nos recordatórios, embora eu nunca vá encontrar edições como "Strange Tales" ou Deadly Hands of Kung Fu" em alguma banca. A propósito, que bom relembrar dos Filhos do Tigre. O material do Aranha dos anos 70 matava a pau!!! Eu só queria que fossem histórias clássicas do Quarteto, pois acho que o Cabeça de Teia já tem bastante espaço nas coleções dele. Ah, e me desculpem os editores, mas até agradeceram a uma pessoa que ajudou na tradução do espanhol, mas que aquele espanhol tá cheio de erros grotescos, isso tá! Vão consultar alguém com formação, por favor!!!



Salvat 11  - Luke Cage - vale mais pelas histórias dos anos 1970 com o Punho de Ferro e pelo histórico do personagem e as questões raciais e culturais da época. Desenhos de John Byrne e roteiro de Claremont, mas eu gostaria de ter lido material mais antigo também, como nas primeiras edições da saudosa Superaventuras Marvel.




Salvat 11 - Os Três Guerreiros, eu estranhei quando soube deste título na coleção, mas sem dúvida com um bom roteirista, qualquer personagem ganha destaque. A série de 2010 valeu mais pelos desenhos, mas a outra, mais antiga, da série "Contos de Asgard", com o mesmo ilustrador da já citada " A Bandeira do Corvo", faz valer cada centavo. Fantasia, humor e magia como pede o bom leitor de quadrinhos.  



X-Men Extra 15 e 16 - série nova do magneto legal, bem como a da tempestade na edição 16. Não acompanho os personagens, mas Oh, Noturno estava morto e ressuscitou? Como isso? Até teve seus momentos legais nessa sequencia do retorno, mas ainda trouxe outro do além, seu pai Azazel. Nunca engoli esses Bamfs, mas a origem deles foi bem sinistra! X-Force tem uns momentos legais de violência, e os desenhos são legais, mas não sou fã da série.



 

  

















Turma da Mônica Jovem 64 - graças a um fenômeno trazido por um pássaro folclórico, Mônica e Cebola trocam de corpos e cada um vive o drama de ser menino e menina, cada um com suas pressões do dia a dia. Bem didático e educativo.  



 Chico Bento 396 - com uma história hilária de Chico, Zé Lelé e outros caipiras ao encontrar um telefone celular.




Puxa - em janeiro li gibi pra caramba!!! 

Nenhum comentário:

Postar um comentário