18 de mar de 2015

Ler, abstrair, imaginar - Mundos Paralelos

     Uma das grandes vantagens que a leitura proporciona é o desenvolvimento da capacidade de imaginar e abstrair, e assim ampliar os horizontes de nossa mente. Com as histórias em quadrinhos, ao contrário do que muitos pensam, não é diferente. Não é porque ali tem um desenho que o leitor deixará de imaginar a cena ou personagem. Muitas vezes ele tenta imaginar na vida real o que se passa em forma de desenho. Isso já é abstrair e imaginar.

      Mas um dos exercícios de imaginação que os quadrinhos proporcionam é o de se conhecer realidades alternativas para personagens conhecidos, apresentando versões diferentes do mundo em que vivem. Muitas vezes me deparei com pessoas que não conseguem entender um filme, série de TV ou livro por faltar a capacidade de entender o conceito de mundo paralelos, bem como viagens no tempo. Dois exemplos são os filmes “De Volta Para O Futuro” e o seriado “Lost”, que lidam com conceitos deste tipo.
      E é importante ressaltar que embora sejam ficção, essas ideias são respaldadas em parte pelas teorias da física e mecânica quântica, que lidam com coisas como múltiplas possibilidades, teoria do caos e o princípio da incerteza. Com isso, podem despertar o interesse nessas áreas do conhecimento.
      Nos quadrinhos da Marvel existe uma série chamada “O que aconteceria se...” que mostra diferentes consequências para os atos dos personagens em momentos cruciais de suas histórias, uma outra dimensão onde tudo ocorreu diferente, e também as minisséries que mostram os dias finais de alguns super-heróis. Na editora DC existe algo parecido, uma série batizada no Brasil de “Túnel do Tempo”.

     Vejamos algumas.

      Liga da Justiça – O Prego – O mundo sem o Superman. Tudo por que um prego furou o pneu da caminhonete de Jonathan Kent na manhã em que encontraria o pequeno Kal-El.

 

Super-Homem – Morcego de Aço – Nessa versão, o casal Wayne encontra o foguete com Kal-El. Depois que são assassinados, surge o Batman superpoderoso.

 

O que aconteceria se o Justiceiro tivesse matado o Demolidor – publicado em Superaventuras Marvel 132 – Frank Castle fere o Homem-Aranha quando perseguido por assassinar o herói citado, por conta disso a identidade do Aranha é revelada e Tia May morre assassinada por inimigos dele. Peter Parker tenta se vingar e o Justiceiro o mata também. Para se redimir, tenta acabar com a eleição do novo prefeito de Nova Iorque, que era mandado pelo Rei do Crime.

 

Quarteto Fantástico – O Fim – O sistema solar é colonizado pela Terra, que é um paraíso tecnológico. Mas nesse futuro onde as pessoas vivem séculos, os membros do Quarteto quase nem se falam, depois que os filhos de Reed e Susan foram mortos.

  
  
Cebolinha 85 (Panini) - Cebolinha volta no tempo numa máquina do Franjinha (só podia) e impede o seu Sousa de conhecer a mãe da Mônica e, assim impede o nascimento da baixinha. Ao voltar ao presente, porém, a nova integrante da turma é uma opção pior, e usa um jumento de pelúcia para bater nos meninos.

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário